domingo, 14 de agosto de 2016

O que o filme “300” ensina para empreendedores



Por Davi Paiva

Que o filme “300” é excelente, não é novidade. Lançado em 2007 com direção de Zack Snyder (sim. Ele mesmo!), o filme de R$ 65 milhões arrecadou mais de R$ 456 milhões no mundo todo, além de prêmios e uma continuação em 2014, “300 – A Ascensão do Império”. Sem contar que virou um ícone cult por falas e ações marcantes (completem aí: THIS IS S_____!!!).
E como bom nerd que procuro ser, não vejo só uma obra como também procuro tirar o melhor dela para outras áreas tal qual Steve Jobs mudou o mundo da tecnologia com seus conhecimentos em caligrafia. E seja você uma pessoa querendo investir em um negócio, abrir uma ONG ou um projeto com fins comerciais, separei essas dicas que espero que sejam bem úteis.

0 - Treinamento e orgulho em participar são fundamentais;

Logo no começo do filme, já vimos como a sociedade espartana era criada para lutar: eles eram treinados, eram motivados e aprendiam a amar o que tinham de fazer.
Ao começar o seu empreendimento, instrua as pessoas. Diga aquilo que sabe, como vai querer e qual é o objetivo. Lembre-se que vivemos no Brasil do século XXI, onde a educação escolar é precária e o conhecimento não é uma cultura.
Instrua tanto quanto insira no coração de seus auxiliares a sua vontade de querer ver o projeto dar certo.
E é claro... para instruir, você tem que aprender.

1 - Ao começar um empreendimento, se prepare: familiares, "amigos", haters e concorrentes vão discordar;




Não importa o que você faça, sempre tem alguém para achar que você não é capaz ou que não vai dar certo. E eles não terão um argumento embasado: você pode fazer pesquisa de mercado, ter todo o mindset elaborado e revisado com ajuda de profissionais da área e até o equipamento necessário. Argumentos como “isso não vai dar certo”, “isso não dá dinheiro” ou similares serão só o começo de sua jornada. E se você chegar a abrir o seu negócio, concorrentes vão querer lhe intimidar. O que é um bom sinal: ninguém ataca o que não é um perigo iminente.

2 - Não tenha pena: jogue seus inimigos no fundo do poço;




Acha mesmo que algum concorrente vai estender a mão se você cair?
Claro que não!
Ele vai aproveitar o mercado que você deixou e querer expandir.
Isso é empreendimento. Isso é negócio!
Então não tenha pena. Se o oponente quebrar, é problema dele. Você tem o seu estudo, o seu planejamento, a sua equipe, o seu material, o seu tempo e o seu produto ou serviço. Se ele não tem, paciência.
O que você não pode ter é piedade.

3 - Não conte com bençãos e aprovações;

Leônidas entendia os riscos que Esparta corria. Os éforos (os velhos deformados) e o conselho, não. E o que o grande rei fez? Esperou que eles entendessem ou partiu para o combate?
Seu gerente, às vezes, pelo comodismo de seu cargo, não vai acreditar que você também pode alcançar a gerência. Seu pai, que não cresceu com tecnologia, não vai apoiar o seu projeto de criar um canal sobre jogos no Youtube por ele não crer que dará dinheiro. Em nenhum desses casos, eles darão palavras de incentivo ou encorajamento.
E de onde você vai tirá-las?
De si mesmo. Das pessoas, empresas e lugares que estudou. Da confiança que adquiriu ao elaborar o seu planejamento. Das respostas de sua equipe.
Do alto, só espere chuva ou sol.
Aqui é você por você mesmo.

4 - Honre quem está ao seu lado mesmo que não esteja com você no campo de batalha;





Se você abrir um restaurante, não espere que seu irmão seja o garçom.
Se você fizer um curta-metragem, não conte com sua namorada para compor a trilha sonora.
Se você trabalhar em uma oficina, jamais espere que sua mãe o substitua em dias de cansaço.
Ninguém é obrigado a estar com você no campo de batalha. Fato.
Por outro lado, seu irmão, sua namorada e sua mãe podem dedicar minutos preciosos para saber como você está indo em sua jornada. E você deve ser grato por isso.
Em “300”, a esposa de Leônidas não vai para a guerra. Mas ela lhe dá apoio e o incentiva a lutar. E se você reparar bem, ele jamais levanta a voz para ela e a trata como disse em suas últimas palavras: “minha rainha, minha esposa, meu amor”.
Um empreendedor não faz de sua família um soldado a não ser que eles queiram fazer parte do projeto. Mas valoriza cada membro familiar como um integrante de sua equipe.

5 - Reúna somente os dispostos;




O que você prefere: uma grande equipe ou uma equipe grande?
Algumas empresas se expandem rápido demais e dedicam tanta atenção à segunda unidade que a primeira pode perder seus diferenciais (bom atendimento, rapidez no serviço, estoque em dia, etc.). Depois reclamam que precisam fechar unidades...
Não importa se a sua equipe é formada por 10 pessoas, 100 ou até 1000. Se todos estão instruídos, motivados e são persistentes, você sobrevive no mercado.

6 - Lidere pelo exemplo;

Passou uma meta? Faça-a com todos.
Tem um prazo? Seja o primeiro a cumprir.
Quer que aprendam? Continue estudando também.
Enquanto Xerxes só gritava, mandava e ameaçava, Leônidas estava no campo de batalha. E esse diferencial dava mais ânimo aos espartanos para lutarem pelos ideais de seu rei.
Se quiser um comportamento exemplar, seja exemplar também.

7 - Faça alianças. Mas não conte muito com elas;

Em um determinado momento do filme, Leônidas faz aliança com arcadianos. Eles o abandonam mais para frente. Entretanto, isso não é empecilho.
Você pode ter grupos parceiros, aliados e sócios em seu projeto, bem como pedir ajuda a outros profissionais. Por outro lado, não conte muito com eles. Você acorda mais cedo que eles, vai dormir mais tarde que eles e passa fome, frio e cansaço e tira do próprio bolso quando necessário para realizar o seu objetivo. Dificilmente você vai encontrar um aliado que tenha passado pelas mesmas experiências, ter a mesma carga de estudo ou até ter metade da sua motivação. Isso é muito raro.
Não há espaço para amizades no mundo dos negócios. Só das alianças. E olhe lá.

8 - Não caia em provocações baratas;

Os persas atacam uma vila e assustam os arcadianos. Já os espartanos ficam ainda mais motivados.
Concorrentes vão olhar o seu empreendimento de cima abaixo, torcer o nariz e dizer “é só isso?” e cabe a você dizer “é mais que isso”.
Não caia na deles. Faça o seu trabalho e deixe que eles cuidem do próprio serviço.

9 - Não comemore tropeços dos concorrentes;




Os persas passam por uma tempestade que destrói uma grande parte de sua frota. Os espartanos urram em comemoração ao passo que Leônidas fica calado e sério.
Seus concorrentes não têm a sua garra, seu conhecimento, seu planejamento ou uma equipe tão preciosa quanto a sua. Então eles vão cair mais cedo ou mais tarde. Não será culpa sua. Será deles.
Independente de quando e como isso acontecer, não será problema seu. Siga em frente com o seu trabalho, que é o que realmente interessa.

10 - Dispense quem não for útil: mais vale um possível traidor no futuro que um confirmado inútil no presente;

Para alguns, Leônidas errou ao dispensar Efialtes, pois mais tarde ele foi traído pelo sujeito deformado.
Por outro lado, analisem a situação presente: uma pessoa que colocava todo o planejamento em risco não era viável. Muitas vezes, equipes são prejudicadas porque seu líder quer dar oportunidade a pessoas menos instruídas, motivadas ou capazes de trabalhar em equipe apenas por uma questão de pena. E o que acontece: o projeto fracassa tanto por culpa do sujeito ruim quanto pela própria atitude do líder em acolher o coitadinho.
Você está empreendendo. O negócio é seu. Não corra riscos com gente incompetente. Instrua-os, motive-os e conscientize-os da importância do trabalho... ou descarte-os.

11 - Prepare-se para o pior;

A primeira cena de luta entre exércitos é visceral. Nela, vemos como os espartanos são empurrados pelos persas e precisam resistir bravamente.
Ao sair de casa, fique ciente que poderá chover. Ou você deve andar com guarda-chuva ou sabe que aguenta correr na tempestade. Ao precisar de verba, tenha dinheiro guardado. Ao excluir uma pessoa do projeto, já tenha contato com um substituto.
Independente de como estiver, sempre fique pronto para enfrentar o mundo. E vencer.

12 - Não perca seus princípios;

A tática dos espartanos descrita no filme é não fazer prisioneiros, não ter piedade, não recuar, não desistir e defender seus aliados.
Em um momento da luta, um soldado ataca sozinho e ia ser atacado até que um grupo de espartanos faz uma parede de escudos para protegê-lo.
Mesmo no caos de uma guerra, é extremamente importante não abandonar o seu ponto forte: você atende bem o público? Tem rapidez no serviço? Tem transparência? Responde a todos os e-mails? Instrui? Motiva? Então por que no dia em que seu carro quebrou e sua esposa brigou com você, deixará de fazer tudo isso?


13 - "Lute nas sombras";

Quando os arqueiros persas disparam suas flechas que bloqueiam a luz do sol, os espartanos se defendem com seus escudos e começam a rir, lembrando que prometeram “lutar nas sombras”.
A vida é assim mesmo. O clima, o mercado, a clientela e a concorrência podem criar cenários para você agir. E o que você fará? Vai esperar que tudo volte às condições nas quais você está acostumado do tipo “vou esperar a chuva passar e depois saio de casa” ou vai lutar mesmo assim?

14 - Mate ou morra pela sua equipe. Eles fariam o mesmo por você;




Na conversa entre Xerxes e Leônidas, fica claro qual é o sistema de liderança de cada um. O rei persa descarta qualquer um da sua equipe enquanto o rei espartano é leal a todos.
Claro que o bom e velho jeitinho brasileiro nos condiciona a pensar sempre no próprio bem estar e depois no dos outros. Mas eu pergunto a você, líder: quer ir dormir com peso na consciência? Não? Então lute pelo que você quer e pela equipe que está lutando pelo que você quer.

15 - Se os seus concorrentes mudarem as táticas, mude as suas também;

Ao enfrentar o exército de Imortais de Xerxes, Leônidas faz uso da força dos arcadianos. E isso nos passa uma importante lição: você vai fazer sucesso e a concorrência vai se atualizar com o intuito de superá-lo. E o que você deve buscar? Superá-los de novo!
Isso é guerra!

16 - Principalmente, use o que você já tiver;

Reparou que os espartanos não tomam os cavalos, rinocerontes, elefantes ou bombas de seus inimigos?
Porque eles não tinham tempo para isso. Eles precisavam se virar com o que tinham: lança, escudo e espada.
Não confunda “usar o que tiver” com “atualização metodológica” descrita no tópico anterior. No caso anterior, falamos de um recurso logístico com base na liderança de Leônidas. Aqui estamos falando do momento da batalha em que você recebe uma arma nova e quer usá-la no calor do momento.
Hora de treinar é hora de treinar. E hora de lutar é hora de lutar.
Pense nisso.

17 - Divida tarefas;

Leônidas sabia comandar. Tanto que pediu a somente um espartano que voltasse ao reino e contasse tudo que eles haviam passado. E ele não podia pedir isso ao capitão furioso pela morte do filho e nem ao espartano Stelios, pois perderia seu melhor atacante.
Explorar as melhores habilidades de cada um da sua equipe é o item mais simples que um bom líder faz. E quando digo “explorar” não me refiro a nenhum tipo de abuso. Quer dizer fazer com que, naturalmente, cada um contribua com o melhor de si.

18 - Lute até o fim;

Uma hora tudo vai acabar: seus concorrentes vão parar de encher o seu saco, os haters vão calar a boca, seu nome ficará consolidado... ou você vai cometer algum erro e tudo irá por água abaixo.
Mas aí mora um pequeno detalhe: como saber se você não tentar?

19 - E quando tudo acabar...

Reflita: o que o levou ao topo e que você precisa manter? O que lhe fez cair e você precisa descartar? Que lições passará para outras pessoas que também tentam empreender e o que fará agora?


Obrigado a todos(as).

Um comentário: